Anexo da Fundação Casa Rui Barbosa

Concursos
001-CASA RUI BARBOSA
002-CASA RUI BARBOSA
diagrama-1
diagrama-certo2

Projeto Anexo da Fundação Casa Rui Barbosa
Localização Rio de Janeiro, RJ
Área  8.300 m²
Ano 2013
Autores Bruno Campos, Marcelo Fontes e Silvio Todeschi
Equipe  Patrícia Bueno, Vanessa Couto
Status Projeto

A Fundação Casa de Rui Barbosa é uma das instituições culturais mais significativas do país, com inestimável acervo e espaços reservados à preservação e divulgação da memória nacional. O terreno de aproximadamente 10.500 m2 inclui a casa original de 1850 (a mais antiga construção de Botafogo) e o jardim de 9.000 m2, um verdadeiro oásis de tranquilidade no meio da agitação de um bairro de ocupação densa que liga a Zona Sul ao centro da cidade. Por seu valor histórico e artístico, o jardim e a Casa formam um valioso conjunto arquitetônico protegido pelo Iphan desde 1938.

O Rio de Janeiro tem uma longa tradição de espaços públicos abertos e de atividades ao ar livre. Nossa intenção é aproveitar a oportunidade única de modernizar as instalações da FCRB para integrar um valioso vazio semi-público que hoje se encontra desconectado da Rua Assunção. A intenção é melhorar as condições de logística e operação do anexo e ao mesmo tempo permitir uma nova permeabilidade (controlada) através do jardim até a Rua São Clemente, criando uma conexão através de um conjunto arquitetônico e paisagístico de rara qualidade.

Nossa proposta aproveita a abertura das negociações da FCRB com a prefeitura para flexibilizar certos parâmetros de ocupação, para sugerir uma outra alternativa, que consideramos mais vantajosa tanto do ponto de vista da ampliação das instalações físicas quanto do ponto de vista urbanístico.

A idéia básica é desobstruir os fundos do jardim, conectando-o diretamente com a Rua Assunção. A “metade leste” do Edifício-Sede seria demolido (4 pavimentos acima do subsolo) e substituído por um vazio tratado paisagisticamente seguindo a ordem dos canteiros existentes (novo espelho d’água como cobertura e isolamento térmico do subsolo). Essa área demolida seria reconstruída junto com o novo programa em uma torre de  10 pavimentos exatamente por cima da “metade oeste” do Edifício-Sede (Auditório), não utilizando portanto os 3 lotes previstos o Edital para a construção do “anexo do anexo” e liberando aqueles terrenos para uma área de logística (pátio de carga e descarga, acessos de serviço) do novo conjunto.

Os ganhos da adoção dessa estratégia podem ser enormes, tanto para a Fundação, como para a vizinhança e a cidade. Trata-se de uma oportunidade única de oferecer infra-estrutura e condições adequadas de trabalho a uma das mais importantes instituições culturais do Brasil, e ao mesmo tempo integrar o conjunto edificado e paisagístico ao domínio urbano imediato, valorizando um espaço semi-público de grande significado.